Em parceria com universidades e startups, Philip Morris Brasil promove a inovação dos seus processos

03/jan - Associados, Cultura e social - Philip Morris Brasil

A Philip Morris Brasil (PMB) tem ampliado parcerias com universidades e startups, com o objetivo de incorporar inovações que beneficiem o desempenho e os resultados em dois elos importantes da cadeia produtiva do tabaco: a melhoria de processos para a fabricação de cigarros e os ganhos do varejo com a venda do produto. Além disso, investimentos em capital humano, ainda na base de sua formação, contribuem para maiores índices de mão de obra qualificada no país.

Em uma dessas frentes, a empresa estabeleceu uma parceria com a Onovolab, um dos maiores campus independentes de inovação do Brasil, que reúne empreendedores, startups, especialistas e alunos de instituições renomadas como as Universidades de São Paulo (USP) e Federal de São Carlos (Ufscar), entre outras.

A partir de um desafio colocado pela PMB, foi realizado um datathon (hackathon focado em ciência de dados) para atacar um dos principais pontos que afetam a rentabilidade do varejo: a previsão de demanda. Designers, cientistas da computação, matemáticos e estatísticos criaram um novo algoritmo, que será incorporado a uma ferramenta de inteligência artificial, com a capacidade de aumentar em até 10 vezes o nível de acerto da demanda pelas marcas de cigarros da empresa habitualmente consumidas por adultos fumantes.

“Esse ganho é importante porque permite que o comércio ajuste seus pedidos com base em dados concretos. Isso evita perdas, pois impede que produtos fiquem estocados por muito tempo ou, ao contrário, o consumidor não encontre a marca desejada no momento da compra”, afirma Leonardo Sotocorno, gerente de TI da Philip Morris Brasil. “Essa busca por soluções inovadoras que a PMB promove integra o movimento global que a Philip Morris International impulsiona globalmente. Nosso objetivo é oferecer produtos melhores do que o cigarro para os adultos que desejam continuar consumindo tabaco”, conclui.

Universidade dentro da fábrica

A PMB acaba de concluir outra frente de inovação, dessa vez com impacto em sua fábrica de cigarros, localizada em Santa Cruz do Sul (RS): o Programa Pegasus. Lançado em agosto deste ano, em uma parceria inédita com a Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), o programa capacitou estudantes de diferentes cursos para os desafios do mundo do trabalho, por meio da experimentação e troca de conhecimentos.

Durante 9 semanas, 15 participantes foram divididos em três grupos e trabalharam para encontrar soluções em três diferentes processos de manufatura da PMB: gestão de peças, qualidade das matérias-primas e gestão de resíduos. Supervisionados e orientados por profissionais da empresa e por professores, a cada três semanas os grupos apresentavam uma prévia do andamento de suas ideias para a solução final.

No pitch day, realizado no dia 1º de novembro, os grupos mostraram as soluções desenvolvidas. O grupo vencedor trabalhou com foco na gestão de peças. Os cinco integrantes foram premiados com uma viagem a São Paulo, para participar da Silicon Valley Conference, maior evento brasileiro sobre as inovações desenvolvidas no Vale do Silício, referência mundial de tecnologia, inovação e startups, que foi realizado no último dia 30 de novembro.

“A Unisc está passando por um grande processo de reinvenção pedagógica e o Programa Pegasus foi muito inspirador para essa caminhada. A parceira com a Philip Morris Brasil contribui para o processo de formação dos estudantes, uma vez que os mentores e colaboradores da empresa foram essenciais para o desenvolvimento das atividades. Nosso desejo é de que esta parceria renda ainda mais frutos e propicie aos estudantes, cada vez mais experiências únicas”, afirma a reitora da Unisc, Carmen Lúcia de Lima Helfer.

Inovação: pilar estratégico

Reforçando o valor estratégico da inovação, a PMB levou toda a sua diretoria para conhecer o Centro de Estudos Avançados do Recife (CESAR) e startups do ecossistema do Porto Digital, localizado na capital pernambucana e considerado um dos maiores centros tecnológicos do mundo. Durante essa ação de conexão, os executivos foram apresentados ao ambiente de inovação do parque tecnológico, oportunidades de novas parcerias e negócios e assistiram seções de pitch de algumas startups com focos variados, desde o setor de visão computacional aplicada à segurança até recrutamento online. Nesta área, a empresa executa um projeto piloto para recrutamento por meio dig ital, co m o uso de inteligência artificial.

Por ações como essas, a PMB, no mês de julho, integrou o Top 50 Open Corps, ranking organizado pela 100 Open Startups – uma plataforma internacional de impacto na geração de negócios entre grandes companhias e startups – que tem o objetivo de identificar as empresas que promovem o maior engajamento, colaboração, contratação e investimentos com novos negócios. A premiação é um marco para a história da empresa, em razão dos esforços realizados nos últimos anos para transformar um setor tão tradicional como o do tabaco.